RECET Vol. 7 (2): 02-06 | 2020 

CAPA  |  ARTIGO DE REVISÃO


 

Paulo Eduardo Mota Hespanha (1)*, Caique Moreira Capanema (2), Rafael Fernandes Gama (3), Nilton José de Oliveira (3) , Carlos Alberto Fontes de Souza (4), Marcos Antônio Santana Castro (3)

(1) Residência Médica em Urologia do Hospital Universitário São Francisco de Assis na Providência de Deus, Bragança Paulista, São Paulo, Brasil; (2) Curso de Medicina da Universidade São Francisco, Bragança Paulista, São Paulo, Brasil; (3) Departamento de Urologia do Hospital Universitário São Francisco de Assis na Providência de Deus; Bragança Paulista, São Paulo, Brasil; (4) Médico Patologista do Serviço de Anatomia Patológica de Santos-SP. Hospital da Beneficência Portuguesa de Santos, São Paulo, Brasil


 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a esquistossomose afeta mais de 290 milhões de pessoas no mundo. A correlação dessa parasitose com diversos tipos de cânceres é bem descrita em literatura. Ferguson, em 1911, sugeriu a hipótese da relação entre o Shistosoma haematobium e o carcinoma de células escamosas da bexiga. Na China, foi aventada a associação entre Shistosoma japonicum com o câncer colorretal e carcinoma renal. Existem poucos casos publicados que evidenciam a relação do Shistosoma mansoni com o adenocarcinoma de próstata. Este trabalho relata a associação entre a infecção ectópica por S. mansoni e o adenocarcinoma de próstata de baixo grau em um paciente de 64 anos, procedente de Alagoas que fora assistido pelo serviço de urologia do Hospital Universitário São Francisco na Providência de Deus (HUSF). Esse relato, portanto, vem corroborar a existência da associação da esquistossomose ectópica de próstata com o desenvolvimento do adenocarcinoma prostático. No entanto, faz-se necessário a expansão dos estudos acerca da fisiopatogenia dessa correlação.

 


 

ARTIGO COMPLETO em PDF

Capa Edição 1 - 2016