RECET Vol. 7 (1): 25-32 | 2020 

CAPA  |  ARTIGO ORIGINAL 


 

David Sucupira Cristino (1), Antonio Augusto Guterres Castro (1), Francisco Jose Cabral Mesquita (1), Humberto de Holanda Madeira Barros (1), Francisco Renan Doth Sales (1), Juliana Cynara Santos Lima (1)

(1) Hospital Geral Dr. César Cals, Fortaleza, CE 


 

INTRODUÇÃO: A infecção do trato urinário (ITU) é definida como a invasão e multiplicação bacteriana nos tecidos do trato urinário. O agente etiológico mais comumente isolado das ITUs é a bactéria Escherichia coli, causando, muitas vezes, infecção pós operatória em pacientes submetidos a cirurgias urológicas. As drogas mais utilizadas por terem sensibilidade positiva as bactérias mais comuns são quinolonas, cefalosporinas e macrolídeos.

OBJETIVO: Estudar a ocorrência de casos de ITU em pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos no Serviço de Urologia do Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC) no período de janeiro de 2015 a fevereiro de 2017

METODOLOGIA: Estudo descritivo analítico. Foram estudados os pacientes tratados cirurgicamente no serviço de urologia do HGCC no período de janeiro de 2015 a fevereiro de 2017.
Resultados: Das 211 uroculturas solicitadas, 78 foram positivas (36,96 %). Pacientes do gênero masculino apresentaram maior positividade de uroculturas (22,3 %). O microorganismo mais comum foi a Escherichia coli (41 %), sendo que 75 % apresentaram resistência a ciprofloxacino. A Klebisiella pneumoniae foi a segunda bactéria mais encontrada, tendo 73,3 % de resistência a ciprofloxacino.

DISCUSSÃO: A maior incidência de ITU no sexo masculino, como demonstrado nesse estudo provavelmente deve-se ao predomínio de cirurgias urológicas em homens e a idade mais avançada dos pacientes operados. Foram observadas altas taxas de resistência antimicrobiana as fluoroquinolonas, provavelmente devido à grande quantidade de prescrição dos mesmos e seu uso indiscriminado.

CONCLUSÃO: A taxa de ITU nesse trabalho mostrou-se semelhante a de outros estudos, tendo a E. coli como patógeno mais prevalente. 


 

ARTIGO COMPLETO em PDF

Capa Edição 1 - 2016